12 de outubro de 2021
5 Animações com a "cara" do Halloween

 


Hoje é dia 12 de outubro, Dia das Crianças e nada melhor para comemorar essa data do que falar de uns desenhos um pouco macabros que assistia na infância. Se você foi criança entre o final dos anos 90 e começo dos anos 2000, como eu, com certeza conhece esses aqui também! 



O primeiríssimo não podia deixar de ser Coragem, o cão covarde. Gente, confesso que tinha muito medo desse desenho, e mesmo assim não perdia um episódio! Qual era o seu favorito? 



Eu não lembro se Mona, a vampiro passava na Band ou na Rede Tv, só sei que meus sábados de manhã não eram completos sem assistir a uma das aventuras malucas da turma de Mona. 



O Segredo além do jardim é o único nessa lista que conheci depois de adulta. Adoro esse desenho! Você consegue assisti-lo completo pelo Youtube. Já perdi as contas de quantas vezes acompanhei a história bizarra dos protagonistas perdidos em um mundo que mais parece um purgatório. Vale a pena assistir! Tem muitas referências à A Divina Comédia e a música de abertura também é muito boa! 



Agora, uma lista de animações com a cara do Halloween não pode deixar de fora Scooby-Doo, né! Trouxe para vocês dois filmes da Mistérios s.a. que vão maravilhosos e fáceis de encontrar pelas interwebs: Scooby-Doo e a escola assombrada e Scooby-Doo e o fantasma da bruxa. Sério, gente, essas produções são muito legais e trazem um saudosismo quentinho para o coração, sabe? 





Então é isso. Desejo a todos vocês um feliz dia das crianças, afinal, todos temos uma criança interior e ela precisa ser celebrada com o melhor! =D






9 de outubro de 2021
Da Magia à Sedução, de Alice Hoffman

 

    Os anos 90 foram recheados de magia e fantasia com maior ou menor grau de sedução... Tais como Jovens bruxas, As Crônicas Vampirescas e Da Magia à Sedução, de Alice Hoffman. Este último fez grande sucesso na época, ganhando uma adaptação estrelada por Sandra Bullock e Nicole Kidman

    Em Da Magia à Sedução, de Alice Hoffman seguimos a trajetória de duas irmãs órfãs: Sally e Gillian Owen. As meninas ainda muito pequenas perderam os pais em um acidente absurdo. Por causa disso são enviadas para as únicas parentes vivas: as gêmeas de meia idade Bridget e Frances, irmãs mais velhas de seu pai.  

    Ao chegarem em Massachusetts, onde fica a antiga casa da família, as meninas encontram uma realidade bem diferente. As tias não estão preocupadas com sua educação, todos na cidade parecem temê-las, ao mesmo tempo que mulheres desesperadas batem à porta pedindo por ajuda... 



    É sabido na cidade que as mulheres Owen são bruxas. Elas herdaram seus poderes de sua matriarca, Maria Owen, uma imigrante escocesa que, ao ser enganada pelo homem que pensava ser o grande amor de sua vida, lança uma maldição em todos os seus descendentes para protegê-los de falsos amores. 

    Por terem presenciado alguns feitiços das tias e não tendo idade para entender nada daquilo, Sally e Gillian prometem jamais se apaixonarem por ninguém. O tempo passa, contudo, Gillian torna-se a jovem mais bela e irresponsável da cidade, abandona tudo para casar e larga o marido pouco depois, tudo isso antes dos vinte e um anos. Enquanto isso, Sally é o próprio arquétipo do signo de Virgem: organizada, neurótica com limpeza, focada e preocupada com o bem estar de todos, mas sempre esquecendo-se de si mesma. 

    Por anos ela mantêm-se firme em sua promessa de nunca se apaixonar. É quando encontra um homem encantador. Eles casam, têm duas filhas e ele morre tragicamente logo depois... Importante ressaltar que após o casamento Sally consegue ter uma vida quase "normal", pois durante toda a sua infância e adolescência foi marcada pelo estigma de ser uma Owen, sofrendo com a repulsa das pessoas. Ao perder o marido, ela decide não permitir que a maldição alcance suas filhas e se muda para Nova Iorque. 

    Mais uma vez, o tempo passa e agora as meninas Kylie e Antônia já são adolescentes. Sally conseguiu tudo o que queria: um emprego estável, uma bela casa com uma vizinhança agradável, horários fixos, regras estabelecidas e cumpridas, enfim, a vida é boa. 

    Infelizmente, em uma noite de verão, ela recebe a visita de sua irmã, a qual não via desde a fuga. Sally estranha a visita, mas logo descobre que a irmã mais nova está bem encrencada. Gillian matou o namorado abusivo e precisa livrar-se do corpo. A irmã mais velha, então, sedenta por mostrar-se útil e superior, decide enterrá-lo no jardim. Elas só não imaginavam que morto, o namorado sociopata de Gillian seria muito mais perigoso... 



    Da Magia à Sedução começa com um ritmo lento, mas progride pouco a pouco até que o leitor já está muito envolvido com os dramas das mulheres Owens. Alice Hoffman é uma ótima contadora de histórias. Consegue nos manter interessados em uma narrativa cujo conflito principal começa bem próximo de seu fim! 

    Em Da Magia à Sedução as mulheres brilham e têm um verdadeiro protagonismo, sem precisarem "apoiar-se" em um homem. Eles estão presentes na trama apenas como meros coadjuvantes. Já gostava do filme e gostei ainda mais de conhecer o texto original. Essa é com certeza uma ótima história de bruxas! 





3 de outubro de 2021
[Respondendo a Tag] Literária de Halloween


Eu sei, gente, sumi, sumi bem sumida por aqui, mas estou sendo mais assídua lá no instagram, (se quiserem podem me seguir por lá: @andrea.livrelendo) confesso que a vida anda tão maluca que sentar na frente de um computador para postar aqui no blog tem sido difícil, contudo, não poderia deixar esse Halloween passar em branco, por isso trago essa tag literária que encontrei no blog Mundinho da Hanna. Achei bem criativa e uma boa forma de tentar voltar para cá =) 



1. Fantasma: aquele livro que explodiu no lançamento, mas hoje ninguém mais ouve falar. 

Nossa... Que difícil essa! Acho que entre as pessoas que eu conheço, o livro O Caçador de Pipas era muito comentado na época de seu lançamento, contudo, há muitos anos não ouço nem vejo comentários sobre ele. 



2. Frankenstein: um personagem que todo mundo acha que é um monstro, mas você sabe que no fundo ele é só incompreendido

Acho que vou chover no molhado, mas, realmente, não me veio nenhuma personagem em mente além de Heathcliff, de O Morro dos Ventos Uivantes, pois ele teve atitudes atrozes? Sim. Só que talvez, se ele não tivesse sido tão vilipendiado na infância, não tivesse cometido os erros da vida adulta...



 

3. Morcego: um livro que você passou a madrugada lendo. 

Esse aqui é fácil! Battle Royale foi uma leitura visceral que fiz em 2018. A brutalidade na qual uma turma de jovens do 9º ano de um colégio japonês é colocada é absurda e envolvente. O autor Koushun Takami consegue, com maestria, nos emocionar e fazer torcer por esses jovens, mesmo sabendo que apenas um será o vencedor e sairá vivo dessa batalha sangrenta...




4. Zumbi: uma leitura que você achou difícil e teve que forçar o cérebro para conseguir entrar na história.

Olha, adoro a escrita da autora Cornelia Funke, porém, Coração de Tinta foi um grande desafio para mim! Passei meses tentando lê-lo. Em alguns momentos ficava interessada, em outros, totalmente enfadada, enfim, foi uma experiência bem ruim... 



5. Bruxa: uma personagem difícil de se relacionar. 

Com certeza Marius di Romanus, personagem criado por Anne Rice em suas Crônicas Vampirescas. Gente do céu, como o Marius é chato! Ô criatura recalcada!! Tinha inveja da esposa, a vampira Pandora, tinha inveja do Lestat, até do Armand ele tinha um certo despeito! Cara chato, viu!



6. Múmia: um livro que você enrolou para ler.

Por incrível que pareça, esse eu li na mesma época de Coração de Tinta.... Os Pássaros, de Frank Baker é chato, gente, mas é chato em um nível que a história só começa mesmo a acontecer nas últimas 30 páginas! Demorei quase um ano para concluir essa leitura, o que me deixou bem chocada e atordoada! Felizmente, a edição da DarkSide é linda, porque vai ficar só como decoração mesmo...



7. Esqueleto: aquele lançamento que você cansou de esperar. 

Sempre quis ler o livro Bliss, da autora Lauren Myracle, mas seu lançamento original foi em 2011 e até hoje nunca ganhou uma edição aqui no Brasil... E poxa, gente, a história parece ser tão legal! Passando-se na mesma época em que a família Manson cometeu seus crimes brutais, tento a protagonista envolta em algum mistério parecido... Seria muito legal se alguma editora trouxesse essa obra para cá! 



8. Abóbora: um livro que você achou que seria maravilhoso, mas virou abóbora no meio do caminho. 

Sem sombra de dúvidas, Branca de Neve tem que morrer! Nossa! A premissa prometia tanto! Um thriller de tirar o fôlego e, nas primeiras páginas, foi mesmo! Contudo, da metade para o final o negócio degringolou de um jeito... Que a leitura tornou-se risível...


É isso, gente! Agora quero saber de vocês quais seriam suas respostas a essa tag!? Digam-me nos comentários ❤️




24 de maio de 2019
Lua de Larvas - Sally Gardner



     Não é segredo nenhum que eu sou uma verdadeira adoradora do gênero distopia. Gosto muito dessas tramas envolvendo organizações sociais e a tão empolgante e inevitável luta dos indivíduos pela liberdade. Contudo, não escondo também que muitas distopias teen me decepcionaram ao longo dos anos e acabei deixando-as de lado para evitar a fadiga. Felizmente, conheci a narrativa de Lua de Larvas, há algum tempo atrás, anotei a dica e a experiência não poderia ter sido melhor!
     Narrado em primeira pessoa por Standish Treadwell, um garoto de dezesseis anos, Lua de Larvas nos mostra uma realidade ao mesmo tempo familiar e bem diferente da nossa, chegando a ser grotesca. A familiaridade está no fato da história se passar durante o período conhecido como "Corrida Espacial" e a insistente tentativa de levar o homem à Lua. Entretanto, as diferenças são gritantes: a organização social desse país anglófono intitulado Terra Mãe é autocrática. Aparentemente, este sofreu, além da Segunda Guerra Mundial, um conflito civil, pois está quebrado em todos os sentidos. A população vive em condições sub-humanas e é vigiada o tempo todo. Qualquer manifestação contra o regime é brutalmente cessada. Todos vivem com medo. Todos desconfiam de todos.
    Ademais, A Terra Mãe é contrária a todo e qualquer tipo de defeito, o que deixa nosso protagonista na mira do governo, porque ele tem problemas cognitivos, possui heterocromia e seus pais estão desaparecidos por não apoiarem o governo... No momento em que a história começa, além dos pais, ele perdera também seu único e melhor amigo, Hector, que desapareceu juntamente com a família.
Stan sofre muito por causa dessas perdas, pois os amava muito e sempre fora protegido por eles e, agora, era perseguido constantemente por colegas da escola e pelo professor também.
     A narrativa caminha de forma não linear alternando tempo cronológico (presente) e psicológico (flash backs). No primeiro, acompanhamos o protagonista em seu dia-a-dia e vemos como A Terra Mãe é muito cruel, além do anúncio da possível chegada do homem à Lua. No segundo, vemos o passado do garoto, seus pensamentos e planos e descobrimos que as famílias dele e de Hector não estavam na mira do governo à toa, e que eles escondem um segredo que pode mudar os rumos de todo o universo deles.
    A trama de Lua de Larvas é repleta de críticas e simbolismos. O início de cada capítulo é ilustrado pela figura de um rato que vai se modificando e tem relação direta com a o desenvolvimento e até mesmo com o desfecho da trama. Há também um certo quê de representatividade, por causa do modo como a autora retrata o Stan (que claramente tem um grau leve de autismo) e a descoberta da sexualidade.
   Lua de Larvas pode ser categorizado como uma distopia teen por causa da idade de seu narrador protagonista, mas não se assemelha em nada com a superficialidade deste gênero, entregando-nos uma narrativa curta em páginas, porém densa, complexa e verdadeiramente reflexiva.


16 de maio de 2019
São tantas leituras, mas e o tempo?


      Pois é. Os últimos três anos foram repletos de muita leitura e muitas resenhas aqui no blog. O Livre Lendo mudou bastante até tornar-se o que é hoje, cresceu muito e eu também cresci em muitos sentidos. Passei a escrever melhor, a ser mais criteriosa com minhas leituras e isso só me trouxe pontos positivos. Esse ano, contudo, minha carga horária aumentou no trabalho, por esse motivo não disponho mais de tanto tempo para dedicar-me à leitura e quando chego em casa só penso em dormir.
     Por isso, desde fevereiro, o Livre Lendo está bem parado em comparação aos anos anteriores. O ritmo diminuiu, mas, a medida que dá, concluo uma leitura e escrevo a respeito dela por aqui, só não posso fazê-lo obedecendo ao cronograma de sempre, ainda assim as postagens vão surgindo. Além do blog, agora também temos o insta do Livre Lendo que é @bloglivrelendo. No momento não o atualizei ainda, porém já tem algumas fotos por lá. Precisava esclarecer esses pontos para vocês.      
     Espero que nas férias eu possa ler um pouco mais e dedicar-me mais ao Livre Lendo. Por enquanto é isso. Não sei quando volto, então, muita paz, saúde e ótimas leituras para todos nós!


12 de maio de 2019
[EU ASSISTI] – Gilmore Girls – Quinta Temporada



    Pois é... Acho que Gilmore Girls e eu estamos passando por uma crise... Os primeiros resquícios dela surgiram na temporada anterior, nessa, contudo, a decepção foi enorme!
      Eu disse antes estar muito enervada com as atitudes das protagonistas, mas não dei muitos detalhes, dessa vez vou dizer: Rory perde a virgindade com Dean, o casado. Essa ação deixa a todos chocados, nós espectadores e Lorelai, que fica bem decepcionada.
     Não sabendo lidar com a situação, Rory aceita passar as férias de verão na Europa com a avó, enquanto Lorelai fica em Stars Hollow administrando sua pousada.
      Ao voltar da viagem, Rory descobre que o relacionamento de Dean acabou de maneira traumática e, LOGO EM SEGUIDA, ela reata com ele. Lorelai também tem uma novidade nessa área: finalmente ela e Luke estão juntos!
     Além disso, Stars Hollow terá eleições para o novo conselheiro municipal; Emily e Richard tentam interferir nas vidas amorosas de nossas Gilmore Girls; Vemos uma Rory bem confusa, de novo, por causa de relacionamentos amorosos... Sem falar em uma separação bombástica que não é a dela com Dean...
      Fiquei bem desapontada com essa temporada de Gilmore Girls. A forma abusiva como os pais de Lorelai a tratam, as ações tolas, ingênuas e fracas de Rory foram decepcionantes. Rory mostrou-se o tipo de pessoa que não suporto: aquelas que se abatem por causa da opinião dos outros. A forma como ela reage a críticas negativas é absurda e muito infantil, beirando até algo de menininha mimada dentro da bolha.
    Já deu para perceber que não estou mais com aquele entusiasmo de outrora com Gilmore Girls... Fiquei triste com isso, pois essa série era tão incrível! Agora, não sei bem o que esperar dela. Quero saber qual será o resultado das escolhas de Rory e Lorelai, porém, ao mesmo tempo, estou com medo de me decepcionar mais... Parece que o tempo de “finais felizes” acabou...

8 de maio de 2019
O Guardião da Meia-Noite - Rubens Saraceni


      Há quem diga que a literatura espírita/psicografada é mera fantasia, outros, que é real e deve ser encarada de forma séria. Contudo, essas discussões pouco importam, pois você encontrará sempre uma leitura prazerosa e com muitos ensinamentos nesses livros e com O Guardião da Meia-Noite não poderia ser diferente. 
     Há muitos anos não tinha contato com a literatura espírita! Acredito ter sido a última vez em meados de 2012 ou 2013, mas sempre interessei-me muito por essas narrativas, por isso quando o Samuel contou-me o enredo de O Guardião da Meia-Noite fiquei encantada e muito curiosa. O engraçado é o fato de não ter chegado a essa obra de maneira ortodoxa. Não li o exemplar físico ou em e-book, na verdade, pela primeira vez em minha vida ouvi um áudio-livro, e a experiência foi ótima!
     O Guardião da Meia-Noite inicia com o diálogo entre dois espíritos. O primeiro, um ser da luz, tem sua atenção chamada pelo outro ao dizer-lhe ter conseguido realizar uma grande mudança. O primeiro fica surpreso, pois pensava ser isso impossível no mundo espiritual, o outro, então, decide contar toda a sua trajetória a fim de explicar melhor sua história. 
    Assim conhecemos o Barão. Ser que viveu no Brasil durante o século XVIII e era muito rico, poderoso, arrogante e cafajeste. Aproveitara-se da pureza de várias moças, era inescrupuloso... enfim, já deu para perceber que ele não era flor para se cheirar. Apesar de tudo isso, chegou um momento no qual o Barão quis casar-se e foi buscar uma noiva em Portugal. É claro que, hipócrita como era, ele desejava uma mocinha jovem e virgem; não aceitaria uma das desonradas por ele... 
     Ao voltar ao Brasil com a nova esposa, o Barão recebe seu primeiro castigo: aparentemente a moça não era virgem! Nosso narrador conclui isso porque a jovem não sangra em sua primeira noite, ela, porém, jura por todos os santos ser virgem; ele não acredita e decide vingar-se da esposa de uma forma horrível. A partir deste ato sórdido o Barão acaba criando um carma enorme para si e para todos os envolvidos no caso e, ao morrer, encontra um destino cruel e implacável... 
     Por ter perecido de repente, ele nem mesmo sabe de sua morte e sofre demais no que seria seu "Inferno pessoal", lá ele torna-se escravo de um ser das trevas e aos poucos começa a trabalhar para ele. Após algumas décadas de muita dor e agonia, o Barão conquista sua liberdade, arrepende-se de suas ações terrenas e tenta ajudar os vivos para compensar. Desse modo ele se torna O Guardião da Meia-Noite
     Não entrei em detalhes quanto ao mal causado por ele, isso porque o negócio é feio, minha gente, posso apenas dizer que o rastro de de sangue deixado marcou profundamente uma tribo indígena inteira! Por causa disso o Barão passará por muitas provações deixando o leitor sempre muito tenso porque, embora tenha começado seu relato mostrando-se um vilão, aos poucos ele se torna um anti-herói, e nós torcemos por sua vitória. 
     Além de ser meu primeiro contato com um áudio-livro, O Guardião da Meia-Noite foi também meu primeiro contato com o lado "obscuro", ou seja, o lado das "trevas" do chamado mundo espiritual, o que foi interessante e aterrador! Ademais, essa leitura trouxe muito conhecimento e muitos alertas quanto ao egoísmo, a vaidade e a ignorância e nesses tempos precisamos prestar bastante atenção às nossas ações e pensamentos para não cair nesses erros... 
    Como dito antes, não importa se você acredita ou não na veracidade da literatura espírita, aproveite essas histórias para aprender com os ensinamentos delas e os compartilhe com os outros. Isso é o que realmente importa.